Idosa de 101 anos realiza atividades físicas no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV) dos Idosos na Área Continental de São Vicente

Além de praticar exercícios, Raquel cultiva plantas e maracujá em sua residência, no Parque das Bandeiras

Compartilhe!

11 curtiram
 
Já pensou chegar aos 101 anos tomando apenas um medicamento para pressão arterial e fazendo tudo sozinha, como cozinhar, cuidar da casa e participar da turma da Melhor Idade do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SCFV) dos Idosos sem cansar? Não é ficção. É a história real da baiana aposentada Raquel Assis Jesus, que alegre conta o que faz para se manter saudável. "Eu me sinto bem fazendo as atividades aqui no Serviço de Convivência. Gosto muito daqui".
 
O filho de Dona Raquel, João Batista Assis Santos, 64 anos, revela que desconhece o segredo da longevidade da mãe, mas afirma que ela é muito ativa, e que apesar das intempéries da vida, conseguiu cuidar dele e do irmão caçula, no interior de Minas Gerais. "A vida dela foi muito difícil, lavava roupa na beira do rio. Ia cedinho e só retornava à tarde, com a roupa quase seca, em cima da cabeça, numa bacia. Eu e meus irmãos ficávamos trancados em casa. Ela não deixava a gente sair e se o vizinho falava que estava na rua, a gente apanhava. Ela soube educar os filhos muito bem".
 
João Batista comenta que Dona Raquel, além dele e do irmão mais novo, teve outros sete filhos que ficaram com o pai. E que tem uma excelente saúde e memória também. "Eu queria ter a memória dela. Ela lembra de tudo! É muito esperta e forte!".
 
O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo (SFCV) dos Idosos Vem Viver que a Dona Raquel frequenta  fica no Parque das Bandeiras, Área Continental de São Vicente, e há atividades para as pessoas a partir de 60 anos. Atualmente são 55 alunos inscritos que têm atividades físicas voltadas para a terceira idade (ginástica, alongamento, Pilates e funcional) com a professora Renata Sacramento Duarte. "Ministro aula para essas meninas maravilhosas e só tenho a agradecer e espero chegar na idade delas com esse pique, com essa mesma energia porque é muito difícil hoje em dia, com a vida agitada que a gente tem".
 
Para quem tem a partir de 60 anos e tenha interesse em praticar atividades no SFCV do Parque das Bandeiras, basta comparecer, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, na Rua Prefeito Rodolpho Mikulasch (Antiga Rua Um), 901 - Parque das Bandeiras, munidos dos seguintes documentos: cópias do RG, CPF, comprovante de residência, além das três primeiras vacinas contra o COVID. O atestado médico deve ser original. Também levar o número do NIS que é feito no CRAS. 
 
A coordenadora do SFCV, Adriele Santos Mendes, afirma que há vagas para a turma das 9 horas e, caso a pessoa não tenha o CAD Único, deve comparecer ao CRAS (Rua Quatro, Parque das Bandeiras).
 
Adriele ressalta que o atestado médico apontado que o paciente está apto para fazer atividade física, não há limite de idade. 
 
Atividades trazem benefícios - Uma das alunas é Zulmira Ferreira da Silva, 64 anos e frequento há cinco as aulas e acha maravilhoso, pois o problema de saúde dela desapareceu após ter iniciado as atividades.
 
Da mesma opinião é Jacinta Graciano de Menezes,  81 anos, e há mais de 15 nas aulas. "Eu gosto muito daqui, as meninas são muito legais, atenciosas".
 
Não é só na questão física que as atividades trazem benefícios. Otavina Lemos da Silva, 62 anos, desde 2012, quando começou a frequentar as aulas, estava com problema de coluna, além de depressão. "O espaço é ótimo, o pessoal atencioso, e me senti com energia, com vitalidade".
 
 
Por Carmen Doria
 

Álbum de Fotos